Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Maduro diz que intenção de Guaidó era provocar um golpe militar

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, considerou nesta quarta-feira que o chefe do Parlamento e presidente interino reconhecido por parte da comunidade internacional, Juan Guaidó, queria provocar um golpe de Estado militar contra seu Governo.


EFE

Paris - Em entrevista ao canal informativo "Euronews", que será divulgada nesta quarta-feira e da qual foram antecipados trechos, Maduro disse ter "conhecimento" de que esta era a intenção, mas que "fracassou".


EFE/ Leonardo Muñoz
EFE/ Leonardo Muñoz

Maduro vê Guaidó como "uma circunstância que vai passar" e disse que é preciso falar com "toda a oposição no seu conjunto para ver o que está pensando", ao mesmo tempo que garantiu que não deixou de conversar com os opositores, embora "ainda não seja público".

Questionado sobre o grande número de manifestações ocorridas no país, Maduro afirmou que a população "pode marchar todos os dias".

"Não é a primeira vez. Entre o ano 2002 e 2003, fizeram três manifestações diárias durante mais de cem dias. Que as façam. Em 2018 saíram 120 dias completos às ruas. Têm direito, que marchem, que exijam, sempre em paz. A Venezuela é o que eu chamo de uma democracia mobilizada", estimou.

Maduro acusou a União Europeia (UE) e os governos dos países europeus de terem seguido "de maneira acrítica" a política do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que "chutou a OTAN, os governos da Europa, a UE".

"Acredito que Federica Mogherini, a UE e os Governos da Europa cometeram um erro com a Venezuela. Escutaram uma só parte. Não escutaram o país inteiro que clama por paz, diálogo, entendimento, e não nos escutaram, que temos voz de poder real", declarou.

"Se eu não entendesse a situação do meu país, não seria presidente. Eleito e reeleito. Eu venho do povo, não me eduquei em Harvard e nem na escola das Américas, não tenho um sobrenome e nem sangue azul. Sou um trabalhador, um homem do povo e todos os dias estou junto com o povo, tenho contatos permanentes e sei exatamente o que acontece", argumentou.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas