Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump não precisa de autorização do Congresso para declarar guerra ao Irã, diz analista

Donald Trump pode não precisar do aval do Congresso para declarar guerra contra o Irã, algo que seus conselheiros "vêm construindo discretamente" um caso em meio a sanções crescentes, informa Jonathan Allen, da NBC News.
Sputnik

O articulista afirma que os principais elementos do plano incluem ligar a al-Qaeda ao Irã para retratar a República Islâmica como uma ameaça terrorista aos EUA, "o que é exatamente o que as autoridades do governo vêm fazendo nas últimas semanas".

"Isso poderia dar a Trump a justificativa que ele precisa para combater o Irã sob a resolução de uso de força de 2001, sem aprovação do Congresso", Allen argumenta, acrescentando que o Congresso dificilmente concederá ao presidente americano "nova autoridade para atacar o Irã nas circunstâncias atuais ”.

Os comentários do autor vêm depois que o New York Times citou vários altos funcionários norte-americanos não identificados dizendo que “[o presidente Donald] Trump foi firme em dizer que…

Marinha do Brasil recebe no dia 8 de março as últimas propostas para as corvetas classe Tamandaré

A Marinha do Brasil (MB) receberá, na sexta-feira da semana do carnaval – dia 8 de março –, a chamada best and final offer (BAFO) dos quatro consórcios pré-selecionados, em outubro passado, para disputar o contrato de fabricação dos quatro navios de escolta da Classe Tamandaré.


Por Roberto Lopes | Poder Naval

A previsão é de que o anúncio do vencedor saia duas semanas mais tarde, no dia 22.


Concepção em 3D da corveta classe Tamandaré
Concepção do CPN do projeto da corveta classe Tamandaré

De acordo com o representante de um dos competidores, todas as propostas – lideradas pelos estaleiros Damen, ThyssenKrupp, Fincantieri e Naval Group –, preveem um custo de produção das embarcações no patamar dos 2 bilhões de dólares (aí incluídos os compromissos de offset).

O Comandante da Marinha, almirante de esquadra Ilques Barbosa Júnior, gostaria de assinar o contrato de aquisição dos navios no dia 13 de dezembro deste ano – data comemorativa do Dia do Marinheiro –, mas esse é um plano de concretização ainda incerta, tantos são os detalhes que devem fazer parte dos instrumentos contratuais.

Gerente 

Ilques já escolheu o oficial que vai gerenciar a construção dos barcos da série Tamandaré, dentro da Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON): será o contra-almirante (RM1) José Moraes Sinval Reis, oficial reconhecido por sua competência e posições firmes.

Sinval Reis foi admitido na EMGEPRON no fim do ano passado.

Ele encerrou seu período na ativa da Marinha, a partir da metade final da década de 2000, como Comandante do 6º Distrito Naval (Ladário) – entre abril de 2007 e abril de 2008 –, Comandante da Força de Superfície – entre abril de 2008 e abril de 2010 –, e Coordenador da Modernização do Navio-Aeródromo São Paulo – cargo no qual aprovou a desmobilização do navio, tornada pública há exatos dois anos.

Nesse momento, um mar de dúvidas domina os concorrentes ao Programa Tamandaré.

Uma dessas incertezas é quanto à real importância que a MB empresta às promessas dos competidores de requalificar tecnologicamente o Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro.

Isso porque dezenas de funcionários do Arsenal que estavam nos quadros da EMGEPRON vêm sendo exonerados.

Para oficiais brasileiros que assessoram os competidores da concorrência, as demissões podem sinalizar uma intenção da Marinha, ainda mantida em sigilo de, no futuro, transferir a maior parte da atividade industrial da Força para o sofisticado complexo naval de Itaguaí (RJ), hoje dedicado à fabricação dos quatro submarinos classe Scorpène que integram o PROSUB (Programa de Desenvolvimento de Submarinos).

Cancelamento 

As dispensas do pessoal da EMGEPRON alocado ao Arsenal fariam parte das recentes medidas de reposicionamento financeiro e administrativo da companhia, que incluiriam o cancelamento dos preparativos para a Rio International Defense Exhibition (RIDEX) de 2020.

Patrocinada pela EMGEPRON, essa mostra de novidades tecnológicas nas áreas de Defesa e Segurança teve sua primeira edição entre os dias 27 e 29 de junho do ano passado.

As providências de corte de despesas da EMGEPRON foram ditadas pelo antigo presidente da empresa, vice-almirante da reserva Francisco Antônio de Magalhães Laranjeira – um amigo pessoal do ex-Comandante da Força, almirante Eduardo Leal Ferreira –, e reforçadas por seu substituto, vice-almirante (RM1-IM) Edésio Teixeira Lima Júnior.

Edésio tomou posse na manhã da última segunda-feira, em uma cerimônia muito concorrida no Salão Nobre do 1º Distrito Naval, que contou com a presença do ex-Comandante da Força, almirante Moura Neto. Curiosamente, um dos fatos que mais chamou a atenção foi, precisamente, a ausência, na solenidade, do almirante Leal Ferreira.

Na tarde da segunda-feira, uma fonte do Poder Naval esclareceu: o ex-Comandante “está divorciado da Marinha, dedicando-se apenas ao estudo da papelada relativa à sua próxima função, de Presidente do Conselho de Administração da Petrobras”.

O PN apurou que, durante os 43 meses em que permaneceu à frente da EMGEPRON, Laranjeira amargou alguns problemas com dois importantes oficiais do setor de Material da Força: o diretor-geral do Material da Marinha, almirante de esquadra Luiz Henrique Caroli, e o diretor de Gestão de Programas da Marinha, vice-almirante Petrônio Augusto Siqueira de Aguiar.

Caroli permanecerá ainda quase um ano à frente do Material. Ele não será movimentado ao longo de 2019, e só deixará a DGMM depois que seu tempo na ativa se encerrar, no mês de novembro.

Petrônio tem boas chances de subir na carreira, e chegar, em um futuro próximo, ao cargo de Comandante-em-Chefe da Esquadra.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas