Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Mídia alemã afirma que 'revolta' de Guaidó na Venezuela fracassou

O fato de o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, pedir ajuda à comunidade internacional representa a prova da sua impotência, escreve o jornal alemão Frankfurter Allgemeine.


Sputnik

A edição assinala que as palavras de Guaidó de que "nós devemos levar em consideração todos os métodos em prol da libertação da nossa pátria" revelam a incapacidade do líder da oposição venezuelana.


Líder da oposição e autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, durante a manifestação em Caracas
© Sputnik / Leo Alvarez

Segundo o jornal, essa fraqueza de Guaidó pode ser usada pelo presidente legítimo da Venezuela, Nicolás Maduro, como prova de que o seu oponente quer entregar o país e seus grandes recursos "nas mãos do imperialismo americano".

Ainda um mês atrás Guaidó realizou manifestações, deu entrevistas diferentes, organizou a campanha de ajuda internacional e até planejou realizar um concerto para animar os apoiantes. Porém, os seus intentos fracassaram, escreve a edição.

Poucos militares venezuelanos passaram para o seu lado, a maioria da ajuda humanitária não entrou na Venezuela e Maduro continua controlando o Exército.

De acordo com Frankfurter Allgemeine, apesar disso, a oposição venezuelana não planeja capitular, o que se expressa no apoio sério que lhe é prestado pela parte norte-americana. Assim, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, ameaçou com consequências graves os que impeçam as mudanças democráticas na Venezuela.

A edição ressalta que a situação na Venezuela pode se desenvolver em qualquer direção, não havendo um cenário previsível.

"Não se sabe agora se Guaidó voltará a Caracas depois dos discursos na Colômbia", concluiu o jornal alemão.

Em janeiro desse ano, na Venezuela ocorreu uma onda de protestos contra o atual presidente Nicolás Maduro, reeleito para o segundo mandato. Em 23 de janeiro, o líder da oposição, Juan Guaidó, declarou-se presidente interino da Venezuela, tendo sido apoiado pelos EUA, vários países da Europa e América Latina, inclusive o Brasil. Maduro recebeu apoio de tais países como a Rússia, México, China, Turquia, Indonésia e outros.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas