Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Mourão diz que guerra civil na Venezuela é 'cenário possível'

Vice-presidente brasileiro deu declaração sobre crise no país vizinho à GloboNews. Mourão também afirmou que presença de cubanos dificulta rompimento dos militares venezuelanos com Maduro.


Por G1

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou na noite desta quarta-feira (27) que uma guerra civil na Venezuela é um 'cenário possível. Ele deu a declaração ao ser questionado sobre a crise no país vizinho, em entrevista ao "Jornal das Dez", da GloboNews.

Resultado de imagem para Mourão comenta riscos de guerra civil na Venezuela
Mourão comenta riscos de guerra civil na Venezuela

Mourão disse que a situação pode ser considerada, diante da manutenção do regime de Nicolás Maduro no poder. "O cenário da guerra civil é um cenário possível, pela situação que o país vive", afirmou.

O vice-presidente brasileiro relacionou a crise também à presença de "20 mil a 60 mil" cubanos colocados por Maduro em setores de inteligência e segurança da Venezuela, o que Mourão chamou de "força estranha".

Assista à integra da entrevista

Segundo Mourão, a presença dos cubanos é uma forma de ameaça e dificulta o rompimento da ala militar com Maduro ou da adesão ao movimento do líder da oposição e presidente interino autoproclamado, Juan Guaidó.

"O que eu chamo de força estranha? São os cubanos", comentou Mourão. "Os cubanos detêm o controle de todos os setores de Inteligência na Venezuela. Existe medo. 'Medo', foi essa a palavra que foi dita pelo presidente Guaidó".

Desde o fechamento da fronteira do Brasil com a Venezuela em Roraima, há uma semana, 12 integrantes da Guarda Nacional Bolivariana desertaram, cruzaram o bloqueio e pediram refúgio no território brasileiro.


Guaidó no Brasil

O presidente interino autoproclamado da Venezuela chegou na madrugada desta quinta-feira (28) ao Brasil. Ele desembarca em Brasília para um encontro informal com o presidente Bolsonaro, no Palácio do Planalto.

Mourão afirmou que vê a visita de Guaidó como estratégica para o reconhecimento do líder opositor diante dos venezuelanos. "Quer mostrar ao povo venezuelano que está sendo recebido pelo presidente da República do Brasil, um país limítrofe por quem os venezuelanos têm um carinho especial. Quera dar mensagem de que é reconhecido", disse Mourão.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas