Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Pence alega que Irã trama 'outro Holocausto' para eliminar Israel do mapa

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, considera que o Irã é "a maior ameaça à paz e à segurança" na região, além de afirmar que Teerã conspira para "apagar Israel do mapa".


Sputnik

Sua declaração foi efetuada durante uma importante conferência sobre o Oriente Médio na Polônia.


Resultado de imagem para Mike Pence
Mike Pence | Reprodução

"O regime autoritário de Teerã […] defende abertamente a destruição do Estado de Israel. O próprio aiatolá Khamenei disse: 'É a missão da República Islâmica do Irã apagar Israel do mapa'. Além de sua retórica odiosa, o regime iraniano defende abertamente outro Holocausto e busca os meios para alcançá-lo", disse o vice-presidente americano.

Em relação à decisão da saída americana do acordo nuclear iraniano de 2015, Pence acredita que os europeus devam fazer o mesmo.

"É uma medida precipitada que só fortalecerá o Irã, enfraquecendo a UE e criando ainda mais distância entre a Europa e os EUA […] Chegou o momento de os nossos parceiros europeus se retirarem do acordo nuclear com o Irã e se juntarem a nós enquanto exercemos a pressão econômica e diplomática necessária para dar ao povo iraniano, à região e ao mundo a paz, segurança e liberdade que merecem", adicionou.

Quanto ao 40º aniversário da Revolução Islâmica, comemorado no dia 11 de fevereiro, Pence prometeu exercer a máxima pressão sobre o país.

"Há quarenta anos, neste mês os mulás [clérigos mulçumanos] tomaram o controle daquele país […] Hoje, as sanções econômicas dos Estados Unidos contra o Irã são as mais duras da história, e serão ainda mais duras até que o Irã mude seu comportamento perigoso e desestabilizador."

Previamente, o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo afirmou a repórteres que "confrontar o Irã" é um passo necessário para qualquer nação que queira "alcançar a paz e a estabilidade" no Oriente Médio.

Entretanto, o vice-comandante do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã, general de brigada Hossein Salami, declarou anteriormente que "a estratégia do Irã é remover o regime sionista do mapa político, e os israelenses contribuem para isso com suas atividades criminais".

A conferência sobre o Oriente Médio surge em meio às relações tumultuosas entre o Irã e Israel, com Tel Aviv preocupada com as alegadas tentativas de Teerã de expandir sua influência na região e de estabelecer uma presença militar permanente na Síria.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas