Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Relatório do Pentágono: porta-aviões dos EUA apresenta desempenho ruim e pouco confiável

Relatório interno do Pentágono questionou a habilidade do porta-aviões USS Gerald Ford em efetuar rapidamente as operações das aeronaves.


Sputnik

As informações do relatório sugerem que há dúvidas sobre a confiabilidade dos sistemas de aviação naval de um dos principais navios da Marinha dos EUA.


USS Gerald Ford
USS Gerald Ford © Foto: US Navy/Mass Communication Specialist 2nd Class Ridge Leoni

A embarcação já excedeu seu orçamento em aproximadamente US$ 13 bilhões (R$ 47 bilhões). Além disso, o porta-aviões deveria estar pronto em 2015, contudo, os seguidos atrasos prejudicaram seu desenvolvimento.

Segundo uma análise realizada pelo diretor de teste operacional do Departamento de Defesa, Robert Behler, o USS Ford "provavelmente não alcançará" a geração do índice requerido de 160 lançamentos por dia (12 horas de voo por dia), sendo que a embarcação foi projetada para uma capacidade de 270 lançamentos por dia (24 horas de voo por dia), conforme publicação da Bloomberg.

O número de lançamentos (SGR) é um dos índices mais importantes utilizados para avaliar qualquer porta-aviões. Observando que o navio da classe Nimitz possui um SGR de 120, com um aumento de capacidade de 240.

O novo sistema de lançamento eletromagnético de aeronaves (EMALS) e o avançado sistema de detenção de trem de pouso (AAG) para pousos de decolagens, respectivamente, são componentes importantes no índice de lançamento do USS Ford.

Behler também anunciou que, apesar das melhorias, a confiabilidade ruim e desconhecida continua atingindo o navio e seus principais sistemas.

As declarações de Behler estão relacionadas às "suposições irreais" de que o navio "ignora os efeitos climáticos, emergências das aeronaves, manobras dos navios e as operações de voo da composição da Ala Aérea".

O diretor de teste operacional do Pentágono, responsável pelos testes de 2009 a 2016, J. Michael Gilmore declarou em 2013 que eram poucas as possibilidades do porta-aviões USS Ford atingir o SGR requerido de 160 a 270 lançamentos por dia.

Além disso, em maio de 2017, a tripulação do USS Ford registrou 20 falhas dos sistemas de lançamento e pouso em 747 tentativas, contudo, ninguém ficou ferido e a embarcação não foi danificada durante os testes, segundo a Bloomberg.

Segundo o porta-voz do Comando de Sistema Aéreo Naval, 747 lançamentos e pousos correspondem a um "número insuficiente de eventos para tirar qualquer conclusão sobre a confiabilidade".

O primeiro lançamento bem-sucedido do sistema de lançamento de um F/A-18 ocorreu em agosto de 2017. Além disso, o porta-aviões recebeu apenas um dos 11 elevadores de armas planejados. Entretanto, o presidente norte-americano, Donald Trump, garantiu que o porta-aviões receberá os elevadores quando estiver pronto e for lançado ao mar.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas