Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prestes a 'ganhar' território do tamanho da Arábia Saudita, Brasil carece de recursos para defesa

A ONU deve ratificar no próximo mês, o pleito brasileiro em estender sua faixa de águas jurisdicionais em pelo menos 2,1 milhões de km², uma área equivalente à extensão da Arábia Saudita. Para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, movimento precisa vir acompanhado de modernização da Marinha.
Sputnik

Como a Sputnik Brasil mostrou em maio, a demanda já dura há pelo menos 30 anos e tem relação com medições técnicas sobre o ponto onde termina o Brasil continental e até onde é lícito explorar as águas do entorno. O mar territorial brasileiro têm atualmente cerca de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) na faixa de água e uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 quilômetros). Na parte de solo e sub-solo, área na qual o Brasil pleiteia a extensão, há um limite de mais 200 milhas regulamentadas.

Responsável pela proteção da área oceânica, a Marinha brasileira vem desenvolvendo pesquisas na região desde 2004. Os militares já identificaram potencial possibilidade de exploração de …

Rússia diz estar aberta a propostas dos EUA para novo pacto de armas nucleares

A Rússia está disposta a considerar novas propostas dos Estados Unidos para substituir um pacto nuclear da Guerra Fria que está suspenso por um tratado mais amplo que inclua mais países, afirmou nesta quinta-feira o vice-ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Ryabkov.


Tom Balmforth e Vladimir Soldatkin | Reuters

MOSCOU (Reuters) - A Rússia suspendeu o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) no fim de semana, depois que Washington anunciou que iria se retirar do acordo em seis meses a menos que a Rússia abandonasse o que os EUA dizem ser violações do pacto. Moscou nega as alegações.

Resultado de imagem para Sergei Ryabkov
Vice-ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Ryabkov | Reprodução

O tratado de 1987 eliminou os arsenais de mísseis de médio alcance das duas maiores potências nucleares do mundo, mas deixa outros países livres para produzi-los e implantá-los.

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse na semana passada que gostaria de manter conversações com o objetivo de criar um novo tratado de controle de armas.

“É claro que vimos a referência na declaração do presidente Trump à possibilidade de um novo tratado que poderia ser assinado em uma sala bonita e que este tratado deveria também incluir outros países como seus participantes”, disse Ryabkov.

“Esperamos que esta proposta seja concretizada e colocada no papel ou por outros meios”, disse Ryabkov em coletiva de imprensa em Moscou.

Ryabkov disse que os Estados Unidos não enviaram a Moscou nenhuma proposta concreta para um novo pacto.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas