Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Saída americana do Tratado INF ameaça estabilidade global, avisa chancelaria russa

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou que a retirada americana do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) coloca em risco a estabilidade mundial.


Sputnik

"É uma política muito perigosa que pode ter consequências muito graves para a estabilidade global", diz o comunicado no site da entidade.


Lançamento de um míssil dos EUA
© Foto : Departamento de Defesa dos EUA

"A comunidade internacional, e especialmente os cidadãos dos EUA e de outros países da OTAN, cujas autoridades repetem cegamente insinuações americanas, deveria pensar aonde a busca por Washington da ilusão do domínio militar pode levar", acrescenta a publicação.

Segundo o ministério russo, Washington já decidiu há muito tempo seguir o caminho da violação do acordo para garantir dessa forma "a possibilidade de utilizar uma gama ilimitada de ferramentas militares" e "exercer pressão sobre qualquer adversário em qualquer parte do mundo".

A Chancelaria russa salienta que, por muitos anos, "mostrou o máximo de paciência, exigindo que os americanos eliminassem as violações do Tratado INF", mas Washington ignorou os apelos de Moscou, além de acusar a Rússia de violar o tratado sem nenhuma prova, alegando que o míssil russo 9M729, com um alcance de 480 quilômetros, viola o pacto.

Além disso, a instalação de lançadores verticais americanos na Romênia e, em breve, na Polônia, também infringe o tratado, denuncia o órgão russo.

No dia 2 de fevereiro, os EUA suspenderam suas obrigações decorrentes do Tratado INF, assinado em 1987 com a então União Soviética e que proíbe os mísseis balísticos e de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

Em resposta, Moscou anunciou que suspende igualmente a sua permanência do tratado e começa a desenvolver um míssil hipersônico, deixando claro que, além de não querer se envolver na corrida armamentista, também manterá suas propostas de desarmamento e esperará até que os EUA estejam prontos para negociações.

Comentários

Postagens mais visitadas