Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Soldados britânicos são proibidos de usar distintivo de caveira parecido com emblema nazista

O distintivo de caveira foi desenhado especialmente para o Serviço Aéreo Especial (SAS, na sigla em inglês) do Reino Unido e é usado nos capacetes e uniformes de militares britânicos.


Sputnik

O SAS foi obrigado a parar de usar o distintivo da caveira em seus uniformes por ser parecido com o emblema da Cabeça da Morte (Totenkopf) usado pela Waffen-SS da Alemanha de Hitler, escreve o Daily Star.


sas soldier skull
Logotipo do Punisher | Reprodução

"O SAS é de assassinos profissionais — esse é o trabalho. O que tem de mais se eles usarem uma caveira no uniforme? Foi informado para nós que isso pode estar deixando outras unidades insatisfeitas por desrespeitar forças inimigas e por poder encorajar crimes de guerra em algumas tropas estrangeiras com quem o SAS trabalha tais como afegãs e iraquianas", de acordo com uma fonte militar, citada pelo jornal.

Vale destacar que o Serviço Aéreo Especial teria sido notificado da decisão depois que chefes do exército do Reino Unido visitaram o Esquadrão G no condado de Herefordshire. O ex-sargento Trevor Coult, que venceu a Cruz Militar no Iraque e atualmente comanda a organização For Our Veterans (Por Nossos Veteranos) caracterizou a decisão como "completamente ridícula".

"Ministério da Defesa deveria estar fazendo todo o possível para apoiar o SAS, ao invés de dizê-lo o que pode ou não vestir em operações. Isso é um absurdo e ridículo", afirmou Coult.

O crânio passa a ser usado por um soldado das forças especiais britânicas assim que ele mata pela primeira vez em operações militares; os distintivos começaram a ser usados enquanto as tropas britânicas estavam servindo com forças especiais dos EUA no Iraque.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas