Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump não precisa de autorização do Congresso para declarar guerra ao Irã, diz analista

Donald Trump pode não precisar do aval do Congresso para declarar guerra contra o Irã, algo que seus conselheiros "vêm construindo discretamente" um caso em meio a sanções crescentes, informa Jonathan Allen, da NBC News.
Sputnik

O articulista afirma que os principais elementos do plano incluem ligar a al-Qaeda ao Irã para retratar a República Islâmica como uma ameaça terrorista aos EUA, "o que é exatamente o que as autoridades do governo vêm fazendo nas últimas semanas".

"Isso poderia dar a Trump a justificativa que ele precisa para combater o Irã sob a resolução de uso de força de 2001, sem aprovação do Congresso", Allen argumenta, acrescentando que o Congresso dificilmente concederá ao presidente americano "nova autoridade para atacar o Irã nas circunstâncias atuais ”.

Os comentários do autor vêm depois que o New York Times citou vários altos funcionários norte-americanos não identificados dizendo que “[o presidente Donald] Trump foi firme em dizer que…

'Vocês não devem lealdade a quem queima comida', diz Juan Guaidó a militares da Venezuela

Autoproclamado presidente interino da Venezuela disse que o mundo viu 'a pior cara da Venezuela' neste sábado e pediu ajuda à comunidade internacional 'para assegurar a liberdade do nosso país'.


Por G1

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, insistiu que os militares venezuelanos deixem de obedecer ao regime de Nicolás Maduro. "Vocês não devem lealdade a quem queima comida na frente de famintos", afirmou o líder oposicionista em discurso em Cúcuta (Colômbia) neste sábado (23).

Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino da Venezuela, discursa em coletiva de imprensa após acirramento da crise nas fronteiras venezuelanas — Foto: Luisa Gonzalez/Reuters
Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino da Venezuela, discursa em coletiva de imprensa após acirramento da crise nas fronteiras venezuelanas — Foto: Luisa Gonzalez/Reuters

"[Os militares] não devem nenhum tipo de obediência a quem, com sadismo, decide que não entre ajuda humanitária para o país", afirmou Guaidó, que é presidente do Parlamento venezuelano.

O opositor de Maduro também anunciou que participará na segunda-feira (26) da reunião do Grupo de Lima, em Bogotá, "para discutir possíveis ações diplomáticas" contra Maduro. O grupo reúne 13 países, inclusive o Brasil, que não reconhecem o governo de Maduro.

O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, representarão o país no encontro. Os outros países do Grupo de Lima são: Argentina, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Chile, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru.

Mais tarde, o presidente do Parlamento escreveu no Twitter que "os eventos de hoje me forçam a tomar uma decisão: a formalmente propor à comunidade internacional que nós precisamos ter todas as opções em aberto para assegurar a liberdade do nosso país, que luta e continuará lutando".

Segundo o líder da oposição, o regime de Maduro "celebra um massacre da nossa gente, em que hospitais venezuelanos não recebem ajuda". "Celebram a morte de mais venezuelanos", acusou Guaidó.

"Perguntem para seus familiares se precisamos de comida e de remédio. Perguntem. Ele [Maduro] é o assassino", afirmou.

O autodeclarado presidente interino também pediu esforços para "conseguir liberdade para a Venezuela". "Pedimos que mantenham todas as cartas na mesa".

"Hoje o mundo viu a pior cara da Venezuela."

Reação internacional

Minutos antes, o presidente da Colômbia, Iván Duque, afirmou que o regime de Maduro teve neste sábado "a sua derrota moral".

"A ditadura venezuelana pode apelar para violência para evitar ajuda, mas teve hoje sua derrota moral, sua derrota diplomática", afirmou.

O presidente colombiano foi um dos primeiros a reconhecer Guaidó como presidente interino da Venezuela. No discurso desta noite, Duque disse pediu que "o mundo diga 'basta!' à ditadura venezuelana.

"O mundo pode ver como hoje queimaram alimentos e medicamentos, que foram incinerados e que poderiam, seguramente, ter salvado vidas na Venezuela", disse o presidente da Colômbia.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, condenou a violência do governo Maduro e prometeu "tomar medidas" para apoiar a democracia no país. "Os Estados Unidos condenam os ataques a civis na Venezuela, realizados pelos assassinos de Maduro", escreveu Pompeo no Twitter.

"Os Estados Unidos tomarão medidas contra aqueles que se opõem ao restabelecimento pacífico da democracia na Venezuela. Agora é o momento de agir para apoiar as necessidades do desesperado povo venezuelano", afirmou o chanceler americano.

O governo brasileiro condenou "os atos de violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás Maduro", chamou o governo de Maduro de "criminoso" e apelou à comunidade internacional para "somarem-se ao esforço de libertação da Venezuela".

"O uso da força contra o povo venezuelano, que anseia por receber a ajuda humanitária internacional, caracteriza, de forma definitiva, o caráter criminoso do regime Maduro", afirma nota divulgada pelo Itamaraty na madrugada deste domingo.

O governo brasileiro diz que os ataques são "um brutal atentado aos direitos humanos" e que "nenhuma nação pode calar-se". "O Brasil apela à comunidade internacional, sobretudo aos países que ainda não reconheceram o Presidente encarregado Juan Guaidó, a somarem-se ao esforço de libertação da Venezuela", afirma o governo brasileiro.

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, afirmou que "a comunidade internacional deve ser dura, atendendo aos direitos interamericanos e ao direito internacional".

Almagro chamou o governo de Maduro de "usurpador" e que as ações que impediram entrada de ajuda humanitária à Venezuela são "inadmissíveis".

"Matar pessoas que levavam alimentos e remédios é uma baixeza ética. É um regime que comemora a vitória por assassinar seu povo", repudiou Almagro.

Resumo dos confrontos sábado (23)

  • As fronteiras da Venezuela com o Brasil e a Colômbia amanheceram fechadas, conforme prometido por Maduro
  • Caminhonetes saíram de Boa Vista e foram até a fronteira com a Venezuela com ajuda humanitária, mas voltaram para o lado brasileiro no fim do dia
  • Venezuelanos protestaram e atacaram uma base do exército venezuelano
  • 3 pessoas morreram e ao menos 15 ficaram feridas em Santa Elena, cidade venezuelana a 15 km da fronteira com o Brasil
  • Na fronteira com a Colômbia, 2 caminhões com ajuda humanitária foram incendiados
  • Confrontos na fronteira com a Colômbia deixaram 285 feridos e 37 pessoas hospitalizadas, segundo o governo colombiano
  • Mais de 60 militares venezuelanos abandonaram os postos e pediram asilo, ainda de acordo com o governo colombiano
  • Maduro afirmou em discurso que não é mendigo e que está disposto a comprar toda comida que o Brasil quiser vender e rompeu relações diplomáticas com Colômbia
  • Guaidó voltou a apelar a militares para que eles retirem o apoio a Maduro: "Vocês não devem lealdade a quem queima comida"


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas