Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Washington pode atacar Ancara economicamente em resposta à compra dos mísseis S-400 russos

Os EUA continuam pressionando a Turquia devido à decisão de Ancara de comprar os sistemas de defesa antiaérea S-400 russos. O major-general turco aposentado Nejat Eslen revelou o que está por trás dessa pressão e que medidas preventivas pode adotar a Turquia.


Sputnik

Washington continua exercendo pressão contra a Turquia devido à decisão de Ancara de comprar os sistemas de defesa antiaérea S-400. O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, declarou durante a Conferência de Segurança de Munique, na Alemanha, que Washington não vai esperar de braços cruzados enquanto seus aliados compram armamentos de potenciais adversários.


Sistema de mísseis S-400
S-400 Triumph © Sputnik / Vitaly Ankov

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan, por sua vez, declara retiradamente que Ancara não planeja anular o contrato para fornecimento dos S-400 russos, assinado em 2017.

O major-general turco aposentado Nejat Eslen comentou em uma entrevista à Sputnik Turquia a posição turca quanto a esse assunto, bem como os possíveis passos dos EUA em resposta à decisão turca de comprar os sistemas de defesa antiaérea russos.

Segundo ele, a resposta americana à decisão turca de comprar os S-400 russos poderia afetar a economia da Turquia, por isso Ancara deve tomar medidas preventivas.

"A Turquia está atravessando uma série de problemas econômicos e financeiros. Entretanto, os EUA adotam ações ilegais em seu benefício em muitos países, em particular, vemos isso no exemplo da Venezuela. Para cumprir suas tarefas, os americanos usam frequentemente tais métodos como a provocação de uma crise financeira ou a mudança de regime em um país. Nós recordamos que recentemente o presidente americano [Donald] Trump ameaçou 'destruir a Turquia através de sanções econômicas'", declarou Eslen.

Será que Washington poderia realmente dar esse passo? Segundo o analista, é uma variante possível, por isso Ancara deve tomar medidas preventivas para evitar esse cenário, sublinha o especialista.

Segundo Eslen, Washington está pressionando a Turquia porque quer que Ancara esteja sob a influência dos EUA.

"Os EUA não querem permitir a saída da Turquia da sua influência em meio à formação de uma nova ordem mundial. Por isso pressiona sistematicamente Ancara. Os EUA consideram a compra dos sistemas russos como afastamento da Turquia do sistema atlântico [OTAN] e da sua esfera de influência, por isso estão tentando impedir a compra. Mas a Turquia, sendo um país soberano e independente, tomou essa decisão baseando-se nos seus interesses nacionais e está determinada a cumprir o acordo sobre a compra dos S-400", explicou ele.

O contrato de concessão de crédito para o fornecimento dos sistemas de defesa antiaérea S-400 à Turquia foi assinado em dezembro de 2017 em Ancara. Como afirmou o chefe da estatal russa Rostec, Sergei Chemezov, trata-se do fornecimento de quatro divisões de S-400 no valor de US$ 2,5 bilhões (R$ 9,8 bilhões).

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas