Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Avibras encomenda mais sistemas Fieldguard 3 à Rheinmetall

A Rheinmetall Air Defense recebeu um pedido de mais um sistema de telemetria Fieldguard 3 da Avibras do Brasil, anunciou a empresa em 17 de maio.
Forças Terrestres

O Fieldguard é um sistema de controle de tiro ativo que mede a trajetória dos projéteis para assegurar máxima precisão ao engajar os alvos.

O cliente final está expandindo sua capacidade por dois sistemas adicionais, com a Rheinmetall atuando como subcontratada da Avibras, a contratada geral no âmbito do contrato do Astros 2020.

O sistema de telemetria Fieldguard 3 pode cobrir alcances de até 100 km.

Força Aérea dos EUA detecta 'problema sério' e suspende operações do avião KC-46

A Força Aérea dos EUA ameaçou rejeitar os aviões de reabastecimento KC-46 Pegasus da Boeing.


Sputnik

A fabricante Boeing continua enfrentando problemas no desenvolvimento de seus aviões de reabastecimento KC-46 Pegasus, desta vez devido à suspensão dos voos de teste e à repreensão de Washington depois que foram encontrados objetos potencialmente perigosos, além de ferramentas, que foram esquecidos dentro dos aparelhos durante o processo de construção das aeronaves.


The Boeing KC-46 tanker program, built on the frame of a Boeing 767, is assembled in Everett. (Mike Siegel / The Seattle Times)
O programa de abastecedores Boeing KC-46, construído no chassi de um Boeing 767, é desenvolvido em Everett. (Mike Siegel / The Seattle Times)

Estes pedaços de metal e ferramentas deixados em diversas partes dos aviões poderiam danificar seus equipamentos ou o cabeamento elétrico, fazendo com que a Força Aérea dos EUA ordenasse a suspensão das operações do novo modelo da Boeing.

Os voos foram retomados nesta quinta-feira (28), porém, tanto a Força Aérea quanto a Agência de Gestão de Contratos de Defesa obrigaram a Boeing a realizar 13 melhoras em sua linha de montagem, advertindo que poderiam rejeitar os aviões.

Segundo o portal The Seattle Times, a Boeing emitiu um memorando interno avisando seus funcionários que o caso da detecção de ferramentas e objetos alheios dentro das aeronaves estava prejudicando a "atual confiança" da Força Aérea em seus produtos.

Além disso, a empresa classificou o caso como "um problema sério", solicitando que todos se esforçassem para demonstrar para a Força Aérea dos EUA que a empresa é "a fabricante de aeronaves número um".

Entretanto, os problemas no controle de qualidade não são o primeiro problema que afeta o programa do Boeing KC-46, cujo custo ultrapassa em US$ 3 bilhões (R$ 11,3 bilhões) o orçamento inicial.

Anteriormente, a empresa foi pressionada para reformular o sistema de sensores e câmeras que controla a conexão da mangueira de abastecimento da aeronave de reabastecimento ao avião receptor. Perante essa situação, Washington ameaçou reter US$ 28 milhões (R$ 106 milhões) por aeronave até que o problema fosse resolvido.

Além dos seis aviões KC-46 que estão em fase de voos de teste, a Boeing forneceu outros seis aviões às bases aéreas de McConnell (Kansas) e de Altus (Oklahoma). Outros 45 aviões estão em fase final de produção.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas