Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Guaidó pede à Europa para apertar pressão sobre Maduro após a expulsão de enviado alemão

Caracas declarou o embaixador alemão à Venezuela, Daniel Kriener persona non-grata, citando supostas tentativas de interferir nos assuntos internos do país. Decisão foi tomada após Kriener ir ao aeroporto para dar boas-vindas ao líder da oposição, Juan Guaidó após uma longa viagem por vários países sul-americanos.


Sputnik

Guaidó considerou a expulsão do embaixador “uma ameaça verbal”. Segundo ele, as autoridades venezuelanas não tinham o direito de declarar Kriener persona non-grata por não haver legitimidade no mandato concedido a Maduro.


Juan Guaidó durante manifestação contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, em Caracas
Juan Guaidó © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins

"À luz da situação, isso é um passo lógico: há perseguição política, jornalistas são presos. Câmeras e equipamentos são confiscados… Se um regime ameaça, sabe-se quais consequências isso tem", disse ele em entrevista concedida à emissora pública alemã Deutschlandfunk.

Na entrevista, Guaidó também descreveu sua estratégia como “pressão sem violência”, através de comícios e demandas por reformas sociais e justiça.

“Nosso objetivo é mobilizar cidadãos, independentemente de partidos, parlamentos, sociedade civil, comitês, sindicatos, estudantes, jovens, a Igreja. Uma transição pacífica ajudaria a estabilizar o país rapidamente, democratizá-lo para realizar eleições livres”, insistiu, alegando ainda que “até os militares estão cansados​​”. Guaidó expressou confiança de que "80, senão 85% [dos militares] querem uma mudança em contraste com o alto comando".

No início de março, o serviço de imigração colombiano alegou que o número de militares venezuelanos que haviam entrado na Colômbia havia ultrapassado 320 pessoas. A agência de notícias Analitica informa um número maior: 567 desertores. O embaixador venezuelano nas Nações Unidas, Samuel Moncada, acusa Washington de fabricar um relatório inflando o número de desertores para justificar a criação do chamado "exército de libertação" que invadiria o país sul-americano.

Questionado sobre a conveniência de sanções mais rigorosas por parte da Alemanha e da UE, Guaidó elogiou os esforços de Berlim. Os alemães se uniram a Washington ao reconhecer o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó como o líder do país e endossou sanções dos EUA contra a Venezuela na semana passada. Ao mesmo tempo, sinalizou que a União Europeia poderia apertar o cerco a Maduro em breve.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas