Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Líder do Hezbollah: 'Israel está com medo de nova guerra'

Os Estados Unidos implantaram um sistema antimíssil altamente avançado em Israel no início deste mês. Para o Hezbollah, movimento equivale ao reconhecimento da ineficiência das capacidades de defesa aérea israelenses.


Sputnik

O secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, disse na sexta-feira que Israel está com medo e se mostra despreparado para outra guerra com seu grupo.


O líder do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, faz um discurso ao vivo durante comemorações do 40º aniversário da Revolução Islâmica do Irã, ao sul de Beirute, no Líbano.
Hassan Nasrallah © AP Photo / Hussein Malla

"Israel está com medo de uma nova guerra", disse ele em um discurso televisionado dedicado ao 30º aniversário da Associação de Apoio à Resistência Islâmica, organização de arrecadação de fundos do Hezbollah. "Todo dia você ouve que Israel não está preparado para a guerra de uma forma ou de outra, e nesta semana você viu Israel começar a usar o sistema americano THAAD. Eles não confiam nem mesmo nos sistemas de defesa antimísseis que eles mesmos desenvolveram", acrescentou.

Os Estados Unidos instalaram recentemente uma bateria do THAAD em Israel, considerado o mais avançado sistema antiaéreo do mundo. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, defendeu a estratégia e afirmou que essa medida tornaria as forças armadas israelenses "ainda mais fortes para lidar com ameaças próximas e distantes de todo o Oriente Médio".

Segundo Nasrallah, porém, essa implantação significa que Israel tem dúvidas sobre suas capacidades de defesa em caso de um novo conflito. No discurso na sexta-feira, Nasrallah também prometeu que o Hezbollah "sairia vitorioso" do que chamou de "guerra financeira" travada pelos Estados Unidos e seus aliados.

"Como eles esperavam a derrota do Hezbollah em 2006 e ficaram desapontados, nos próximos dias vão testemunhar a vitória da Resistência nesta guerra financeira", disse, citado pela Al-Manar, uma emissora de TV filiada ao grupo.

Nasrallah pediu à Associação de Apoio à Resistência Islâmica para aumentar seus esforços, dizendo que um evento recente que buscou arrecadar dinheiro para o povo iemenita arrecadou US$ 2 milhões. Ele também condenou as sanções dos EUA ao Hezbollah, que em novembro designou seu filho como terrorista global e "líder em ascensão" do grupo.

Grupo ganha poder político e desperta desconfiança ocidental

O Hezbollah surgiu como uma organização política e paramilitar na década de 1980 para combater as forças de ocupação israelenses. A ala militar do grupo tem sido fundamental no combate aos terroristas na Síria, reforçando as forças seculares pró-governo. O grupo acumulou poder político no Líbano e agora três dos 31 ministros do novo governo são filiados ao movimento.

No entanto, alguns países dizem que não são mais capazes de distinguir entre sua ala política e o braço paramilitar. No mês passado, a Grã-Bretanha anunciou que proibiria o Hezbollah em sua totalidade, recebendo críticas do Líbano e elogios dos EUA e Israel.

O Hezbollah considera Israel um Estado ilegítimo. As tensões entre os dois se intensificaram em dezembro, quando militares israelenses anunciaram a Operação Escudo Nortista. A operação visava identificar e destruir túneis do Hezbollah, que, segundo Israel, seriam usados ​​para contrabandear militantes e armas para o território em caso de um possível conflito.

Israel também realiza regularmente ataques aéreos dentro do território sírio, alegando que tem como alvo depósitos militares iranianos e suprimentos de armas preparados para o Hezbollah. Teerã sustenta que suas forças mantêm um papel exclusivamente consultivo na Síria e que não contrabandeia armas para a Síria para o grupo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas