Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prestes a 'ganhar' território do tamanho da Arábia Saudita, Brasil carece de recursos para defesa

A ONU deve ratificar no próximo mês, o pleito brasileiro em estender sua faixa de águas jurisdicionais em pelo menos 2,1 milhões de km², uma área equivalente à extensão da Arábia Saudita. Para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, movimento precisa vir acompanhado de modernização da Marinha.
Sputnik

Como a Sputnik Brasil mostrou em maio, a demanda já dura há pelo menos 30 anos e tem relação com medições técnicas sobre o ponto onde termina o Brasil continental e até onde é lícito explorar as águas do entorno. O mar territorial brasileiro têm atualmente cerca de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) na faixa de água e uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 quilômetros). Na parte de solo e sub-solo, área na qual o Brasil pleiteia a extensão, há um limite de mais 200 milhas regulamentadas.

Responsável pela proteção da área oceânica, a Marinha brasileira vem desenvolvendo pesquisas na região desde 2004. Os militares já identificaram potencial possibilidade de exploração de …

Possível adesão do Brasil à OTAN: EUA estariam precisando de 'arreio' para América Latina?

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse considerar a entrada do Brasil na OTAN. Especialistas russos comentam que consequências essa decisão poderia ter para toda a América Latina e para paz global.


Sputnik

Durante coletiva de imprensa após encontro com Jair Bolsonaro, presidente norte-americano, Donald Trump, indicou possibilidade da entrada do Brasil na OTAN. "Eu disse ao presidente Bolsonaro que também pretendo indicar o Brasil como um grande aliado extra-OTAN, ou até mesmo começar a cogitar como um integrante da OTAN. Eu tenho que conversar com muita gente, mas talvez se tornar um integrante da OTAN seria um grande avanço para a segurança e cooperação entre nossos países", declarou Trump.


Militares da OTAN durante manobras militares na Noruega
Militares da OTAN © AFP 2018 / Jonathan Nackstrand

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista russo em assuntos internacionais Vladimir Olenchenko, comentou a declaração do presidente norte-americano.

"Isso levanta questões, porque a OTAN é uma organização do Atlântico Norte, criada para unir os EUA e a Europa, como organização de defesa", explicou o analista, sublinhando que a transformação da OTAN em uma organização global viola o equilíbrio de poder e tem caráter ameaçador.

"Trata-se de uma violação da arquitetura de segurança global, que deve ser levada muito a sério" e sem possibilidade de prolongamento da tendência, acrescentou o analista.

"Acredito que essas declarações [de Trump sobre a possível entrada do Brasil na OTAN] refletem o desejo dos EUA de manterem liderança e expandi-la. Eu acredito que eles estejam precisando de um arreio. A Venezuela e outros países, Nicarágua e Cuba, mostraram que não querem aceitar a doutrina Monroe, ou seja, uma doutrina de dominância dos EUA na América Latina com [os EUA] decidindo políticas interna e externa por eles", considera Olenchenko, sublinhando que a OTAN poderia ser usada pelos EUA para fortalecer posições na América Latina.

O vice-presidente do Comitê de Defesa da Duma do Estado (câmara baixa do parlamento russo), Yuri Shvytkin, sublinhou que a decisão sobre a entrada do Brasil na OTAN será tomada não apenas pelos EUA e, particularmente, por Trump, mas por todos os países que fazem parte da Aliança.

"Acredito que a adesão [do Brasil à OTAN] é possível, mas pouco provável. Um dos objetivos principais da OTAN é defesa. Infelizmente, hoje em dia, o objetivo não é mais defesa, mas ataque com política e retórica agressivas e ações correspondentes. A possível entrada do Brasil na Aliança violaria equilíbrio em todo o mundo e levaria a um confronto na região do Brasil, o que, na minha opinião, é inaceitável", explicou.

O presidente brasileiro realizou visita oficial de três dias aos EUA. Jair Bolsonaro já assinou alguns acordos que aprofundam a cooperação entre os dois países. Na reunião com homólogo norte-americano na terça-feira (19), foram discutidos assuntos internacionais, entre eles cooperação comercial bilateral, crise da Venezuela, e fortalecimento das relações entre Washington e Brasília.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas