Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que novas sanções dos EUA sobre Irã miram líder supremo

O presidente norte-americano, Donald Trump, disse nesta segunda-feira que os Estados Unidos estão impondo novas sanções sobre o Irã, em meio a uma escalada nas tensões entre os dois países.
Por Steve Holland | Reuters 
WASHINGTON: Trump disse a repórteres que as sanções, que têm como alvo o líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, são em resposta à derrubada de um drone norte-americano na semana passada.

Rússia afirma que conselheiro de Trump "insultou toda a América Latina"

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, afirmou nesta segunda-feira durante uma visita ao Catar que o conselheiro de Segurança Nacional da Presidência dos Estados Unidos, John Bolton, "insultou toda a América Latina" ao mencionar a Doutrina Monroe em relação à Venezuela.


EFE

Doha - Lavrov qualificou de "arrogantes" as declarações de Bolton feitas ontem, nas quais o diplomata americano garantiu que Washington "não tem medo de usar a expressão 'Doutrina Monroe'", que é associada na América Latina com a história imperialista dos Estados Unidos na região.


John Bolton em foto de janeiro. EFE/ Shawn Thew
John Bolton em foto de janeiro. EFE/ Shawn Thew

"Parto do princípio de que essas declarações arrogantes de John Bolton vão provocar reações nos países latino-americanos, porque ele mencionou a aplicação da Doutrina Monroe em relação à Venezuela, mas insultou toda a América Latina", disse Lavrov em entrevista coletiva em Doha.

O ministro russo comentou que, desde a fundação da ONU em 1945, "a teoria e a prática dos 'quintais' (áreas de influência) é insultante".

Em entrevista à emissora "CNN", Bolton afirmou ontem que os EUA querem formar uma coalizão internacional "ampla" para substituir o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Bolton também advertiu Maduro que, se ele prender o presidente da Assembleia Nacional (parlamento) da Venezuela Juan Guaidó - que se autoproclamou presidente interino do país - em seu retorno ao território venezuelano, só vai acelerar o dia de sua própria queda.

Guaidó anunciou que voltará à Venezuela nesta segunda-feira após um giro por cinco países latino-americanos, que o levou a Argentina, Paraguai, Colômbia, Brasil e Equador, em busca de apoio político.

A Justiça venezuelana proibiu Guaidó de sair do território do país enquanto correm as investigações sobre a legalidade de sua autoproclamação como presidente interino, que o Tribunal Supremo não aprova já que só reconhece Maduro como chefe de Estado.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas