Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Presidente do Sudão é deposto e conselho militar vai assumir comando do país

Anúncio foi feito pelo ministro da Defesa nesta quinta-feira. Kamal Abdel Maaruf afirmou que haverá eleições após o período de transição previsto para durar dois anos.


Por G1

O ministro da Defesa do Sudão anunciou nesta quinta-feira (11) que o presidente Omar al-Bashir, que ocupava o poder há 30 anos, foi deposto e detido "em um lugar seguro". Kamal Abdel Maaruf também afirmou que um conselho militar administrará o Sudão por um período de transição de dois anos.

Omar al-Bashir, presidente sudanês, em imagem de arquivo — Foto: Ashraf Shazly/AFP
Omar al-Bashir, presidente sudanês, em imagem de arquivo — Foto: Ashraf Shazly/AFP

Em um comunicado transmitido pela TV estatal, o ministro afirmou que haverá eleições no final do período de transição e que o espaço aéreo do país foi fechado por 24 horas. Ele também anunciou três meses de estado de emergência, um cessar-fogo nacional e a suspensão da constituição.

Nesta quinta, milhares de pessoas anti-governo saíram as ruas para comemorar a queda de Omar al-Bashir. Grande parte dos manifestantes, apesar de comemorar, pediram por um governo civil e disseram que não querem uma administração liderada por militares.

Mandados de prisão por genocídio

Bashir comanda o Sudão com mão de ferro desde 1989, quando deu um golpe de Estado com a ajuda de militantes islâmicos, de acordo com a Deutsche Welle. Ele é alvo de dois mandados internacionais de prisão por genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade, emitidos pelo Tribunal Penal Internacional, em Haia, por causa de crimes cometidos em Darfur.

Nessa região do oeste sudanês, 300 mil pessoas foram mortas desde 2003, segundo contagem das Nações Unidas, num conflito que opõe o governo e milícias árabes, de um lado, e rebeldes não árabes separatistas, do outro.

As manifestações contra Bashir foram motivadas pela forte crise econômica que afeta o país há anos – principalmente depois da secessão do Sudão do Sul, em 2011. O Sudão é um dos 25 países mais pobres do mundo, com uma população de 41 milhões de pessoas.

Até a independência do Sudão do Sul, a economia era fortemente dependente do petróleo, que era responsável por 95% das exportações e metade da arrecadação do governo. Em 2001, o Sudão perdeu a maior parte dos campos petrolíferos, que ficaram com o Sudão do Sul.

Africa e brasil no mundo moderno - Annablume

Africa e brasil no mundo moderno - Annablume

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas