Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump não precisa de autorização do Congresso para declarar guerra ao Irã, diz analista

Donald Trump pode não precisar do aval do Congresso para declarar guerra contra o Irã, algo que seus conselheiros "vêm construindo discretamente" um caso em meio a sanções crescentes, informa Jonathan Allen, da NBC News.
Sputnik

O articulista afirma que os principais elementos do plano incluem ligar a al-Qaeda ao Irã para retratar a República Islâmica como uma ameaça terrorista aos EUA, "o que é exatamente o que as autoridades do governo vêm fazendo nas últimas semanas".

"Isso poderia dar a Trump a justificativa que ele precisa para combater o Irã sob a resolução de uso de força de 2001, sem aprovação do Congresso", Allen argumenta, acrescentando que o Congresso dificilmente concederá ao presidente americano "nova autoridade para atacar o Irã nas circunstâncias atuais ”.

Os comentários do autor vêm depois que o New York Times citou vários altos funcionários norte-americanos não identificados dizendo que “[o presidente Donald] Trump foi firme em dizer que…

Maduro expulsa 56 militares venezuelanos acusados de envolvimento no levante contra o governo

Até o momento, o governo da Venezuela não deu informações sobre a localização deles. Deputados também estão sendo processados por crimes como traição à pátria e incitação à rebelião.


Por G1

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, expulsou 56 militares acusados de envolvimento no levante do dia 30 de abril, liderado pelo opositor Juan Guaidó. Um deles é Manuel Figuera, ex-chefe do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin), diz a Associated Press. O Sebin era responsável por vigiar Leopoldo López, também opositor de Maduro.

Multidão de manifestantes pró-Maduro participa de protesto  em defesa do presidente perto do Palácio Miraflores, em Caracas, a cerca de 10 km da base aérea 'La Carlota' — Foto: Matias Delacroix/AFP
Multidão de manifestantes pró-Maduro participa de protesto em defesa do presidente perto do Palácio Miraflores, em Caracas, a cerca de 10 km da base aérea 'La Carlota' — Foto: Matias Delacroix/AFP

Nos protestos daquele dia, convocados por Guaidó, cinco pessoas morreram e 239 ficaram feridas.

Além de Figuera, foram expulsos 5 tenentes-coronéis, 4 majores, 4 capitães, 6 primeiros-tenentes e tenentes e 36 sargentos, afirmou a imprensa oficial na quarta-feira (8). A saída de Figuera do comando do Sebin já havia sido anunciada no dia 30 de abril.

Até o momento, o governo da Venezuela não deu informações sobre o paradeiro dos 56 militares rebeldes. Na terça (7), a organização humanitária local Foro Penal denunciou o desaparecimento de um grupo de soldados que participaram do levante.

Na semana passada, as autoridades brasileiras já haviam concedido asilo a 25 militares venezuelanos que se refugiaram na embaixada do Brasil em Caracas.

Entre os oficiais afetados pela decisão de Maduro está, também, o tenente-coronel da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) Illich Sánchez, que nos últimos meses ficou encarregado do comando que dá proteção à Assembleia Nacional, controlada pela oposição. Sánchez foi um dos oficiais que acompanharam Guaidó aos arredores da base aérea de La Carlota, em Caracas, durante o levante fracassado.

Deputados acusados

Após a escalada de tensões políticas por conta das ações contra a oposição, Guaidó voltou a desafiar o governo de Maduro nesta quarta (8), durante uma visita a seu estado natal de Vargas. "Vamos continuar; sabemos que a perseguição é a única resposta que têm", disse, no Twitter.

Na terça-feira (7), a Suprema Corte da Venezuela afirmou, em comunicado, que os deputados Mariela Magallanes, Henry Ramos Allup, Luis Florido, José Simón Calzadilla, Américo De Grazia e Richard Blanco seriam processados pelos supostos crimes de "traição à pátria, conspiração, incitação à rebelião, rebelião militar, associação criminosa, abuso de poder e incitamento público à desobediência".

Mariela Magallanes está na casa do embaixador da Itália em Caracas, segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação Internacional do país. De acordo com o comunicado oficial publicado no site do ministério, ela é casada com um cidadão italiano e espera o reconhecimento de cidadania.

Para permitir a acusação dos deputados e do vice-presidente da Assembleia Nacional, Edgar Zambrano, a Assembleia Nacional Constituinte teve que retirar deles a imunidade parlamentar.

Bota Coturno Militar Unissex Sola Antiderrapante Sapatofran

Bota Coturno Militar Unissex Sola Antiderrapante Sapatofran 40

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas