Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prestes a 'ganhar' território do tamanho da Arábia Saudita, Brasil carece de recursos para defesa

A ONU deve ratificar no próximo mês, o pleito brasileiro em estender sua faixa de águas jurisdicionais em pelo menos 2,1 milhões de km², uma área equivalente à extensão da Arábia Saudita. Para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, movimento precisa vir acompanhado de modernização da Marinha.
Sputnik

Como a Sputnik Brasil mostrou em maio, a demanda já dura há pelo menos 30 anos e tem relação com medições técnicas sobre o ponto onde termina o Brasil continental e até onde é lícito explorar as águas do entorno. O mar territorial brasileiro têm atualmente cerca de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) na faixa de água e uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 quilômetros). Na parte de solo e sub-solo, área na qual o Brasil pleiteia a extensão, há um limite de mais 200 milhas regulamentadas.

Responsável pela proteção da área oceânica, a Marinha brasileira vem desenvolvendo pesquisas na região desde 2004. Os militares já identificaram potencial possibilidade de exploração de …

Esquadra Brasileira perderá dois navios-escolta em 2019: Niterói e Jaceguai

O Comando da Esquadra e o Gabinete do Comandante da Marinha acertaram, para este ano, a baixa de dois navios-escolta cuja preservação, em termos de relação custo/benefício, já não se justifica.


Por Roberto Lopes* | Poder Naval

No dia 28 deste mês, o novo chefe do Estado-Maior da Armada, almirante de esquadra Celso Luiz Nazareth, presidirá a cerimônia de Mostra de Desarmamento da fragata Niterói (F40) – navio que, na metade final dos anos de 1970, se tornou um ícone da renovação da velha Esquadra brasileira, de embarcações construídas à época da 2ª Guerra Mundial e herdadas das sobras da frota dos Estados Unidos.

Fragata Niterói
Fragata Niterói – F40. Foto: Alexandre Galante

Um pouco mais tarde – a 18 de setembro – será desativada a corveta Jaceguai (V31), da classe Inhaúma, que na década de 1990 representou uma tentativa da Marinha do Brasil (MB) de voltar a construir embarcações de superfície no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro.

O descomissionamento da Jaceguai divide opiniões na Esquadra, já que as Administrações Moura Neto e Leal Ferreira se dispuseram a investir para tentar recuperar o seu sistema de propulsão.

Corveta Jaceguai
Corveta Jaceguai – V31

Exclusão 

Segundo duas fontes militares deste blog, outras duas Niterói – a Constituição (F42) e a Liberal (F43) – se encontram em mau estado de conservação e, por isso, foram excluídas do programa de revitalização a que a classe será submetida.

Os navios a serem atualizados, de forma a que possam navegar até a metade final da próxima década (por volta do ano de 2028), são a União (F45), a Independência (F44) e a F41 Defensora (há vários anos em reparos).

De acordo com o que o Poder Naval pôde apurar, a MB também prepara, em sigilo, um exercício torpédico com o emprego do torpedo Mk.48, de origem americana, usado pela Força de Submarinos (ForSub).

O alvo, ao que tudo indica, será uma corveta da classe Inhaúma.

*É jornalista graduado em Gestão e Planejamento de Defesa pelo Centro de Estudos de Defesa Hemisférica da Universidade de Defesa Nacional dos EUA. Especialista em diplomacia e assuntos militares da América do Sul. Autor de uma dezena de livros, entre eles “O código das profundezas”, sobre a atuação dos submarinos argentinos na Guerra das Malvinas e “As Garras do Cisne”, sobre os planos de reequipamento da Marinha do Brasil após a descoberta do Pré-Sal.

Barco Inflável Fischmann 350 com Remos e inflador MOR

Barco Inflável Fischmann 350 com Remos e inflador MOR

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas